terça-feira, 20 de outubro de 2009

"Bonecas Russas" - WENDY

Olá!
Aqui vai uma indicação de um filme sensacional que o "Rastaman" me emprestou: Bonecas Russas. Trata-se da sequência do Albergue Espanhol, filme que retrata o cotidiano de pessoas que realizam intercâmbio e trocam experiências hilárias em uma república estudantil.


Xavier (Romain Duris), agora com mais de 30 anos, trabalha como escritor de telenovelas e jornalista free-lancer, mas sonha poder ser livre para escrever suas próprias histórias. Ele continua em contato com sua ex-namorada Martine (Audrey Tautou), agora mãe solteira. Dividido entre Wendy (Kelly Reilly), a amiga britânica, e uma modelo, Xavier conta com a ajuda de Isabelle (Cécile de France), sua amiga lésbica, para encontrar o verdadeiro amor.



Abaixo, segue um trecho que merece destaque:
Uma BELA mulher que não busca somente o que é BELO... Ela se apaixonou por um homem IMPERFEITO. Alguém que, ao menos naquela ocasião, partiu ao encontro da mulher que ostentava somente a qualidade de BELA. E ele quase desperdiçou a paixão de uma mulher que era "PERFEITA".


terça-feira, 6 de outubro de 2009

Há uma criança e um submarino...

Olá! Após um longo período de ausência virtual, aqui vai um crônica escrita por uma pessoa a quem admiro bastante, João:



Há uma criança agonizando não tão longe daqui. Ela insiste em viver, conforme confidenciou o médico. Ela sofreu oito paradas cardiorrespiratórias, mas continua viva. Existe uma espécie de caixa transparente de acrílico envolvendo a sua cabeça. Dentro dela pululam nuvens de gases esbranquiçados, como se antecipassem a imagem de um paraíso infantil. Não lhe permitem a transferência para um setor de terapia intensiva, apesar de tão intensivo ser seu sofrimento, tão intensa a sua presença pequenina, estranhamente silenciosa, como se pedisse desculpas por existir e por não partir rapidamente, ao contrário dos outros bebês mais saudáveis acomodados na mesma sala. Disseram que lhe destinar uma vaga na UTI seria prejudicial ao sistema. Como permitir que ela ocupe o lugar se não possui chances de vida? Ela, entretanto, como disse o médico, insiste em viver. E a cada início de plantão, quando o doutor dirige-se ao berço de tortura, lá continua a criança ainda viva, surpreendendo a sua ciência, mexendo as pernas como um jogador de futebol, os olhos meio abertos, meio fechados. Da mãe, pessoa pobre, nada se pode esperar. Não permanece na cidade acompanhando o filho. Está no interior do estado, longe. Como imaginar o sofrimento que sente ou que não sente!
Há um submarino acidentado no fundo do mar com aproximadamente cem tripulantes a bordo, talvez todos vivos. Eles também insistem em viver e o mundo inteiro se dispõe a ajudar no salvamento. São deslocados equipamentos, países gastam fortunas em providências. Há uma comoção mundial e todos se mobilizam. Os tripulantes supostamente resistem, não querem sufocar no fundo do mar dentro de uma casa de aço. O mundo presume tal desejo. Eles também são silenciosos, pelo menos sob o ponto de vista do resto do mundo, mas o que estará se passando no interior do submarino? Desenganados várias vezes, o mundo insiste em ajudá-los e há quem critique a autoridade russa que não interrompeu suas férias. Os críticos não clamam por conhecimentos científicos ou recursos materiais de tal autoridade, simplesmente apontam que ela não se juntou aos que contemplam e lamentam as falhas tentativas de resgate.
Há uma chance para os tripulantes e nenhuma para a criança que agoniza. Não há qualquer notícia em jornal regional, um grito de socorro, não existe quem lhe arranque o soro, quebre a caixa de acrílico e clame por uma vaga no setor adequado. Não há quem perceba a mão fria do estado, dos funcionários, da sociedade. É só indiferença e não existe um Deus palpável para resolver a situação e punir o mundo, réu confesso. A família do menor, lactente conforme rotulou o médico, não aparece na televisão orando, como aconteceu com os parentes dos tripulantes russos. A criança que agoniza é um nada, é uma conta a mais a ser cobrada do “SUS”, conta barata. O Hospital, em verdade, segundo seu administrador, perderá financeiramente. A entidade está prestando um favor à infeliz.
A criança e os tripulantes do submarino ainda insistem em viver.
PS: O submarino russo Kursk naufragou no Mar de Barents em 12 de agosto de 2000. Investigação oficial apontou a explosão de um torpedo no interior do submarino como a causa do acidente, mas não conseguiu explicar como isso aconteceu. Os tripulantes não morreram com a explosão, pelo menos nem todos. Foi encontrada nos destroços do Kursk uma carta escrita por um tenente-capitão que revela e comprova a sobrevida dos tripulantes após a explosão. O governo russo já gastou dezenas de milhões de dólares para resgatar os destroços e os cadáveres, bem como para pagar as indenizações às famílias. Todos morreram.
A criança morreu poucos dias depois, na mesma enfermaria, longe da mãe, ainda esquecida, não sei seu nome...


Pedro Alcobaça

terça-feira, 21 de julho de 2009

Heroi... Por Um Dia...

I... I wish you could swim

Like the dolphins, like dolphins can swim

Though nothing, nothing will keep us together

We can beat them, forever and ever

Oh we can be heroes, just for one day

I... I will be king

And you, you will be queen

Though nothing, nothing will drive them away

We can be heroes, just for one day

We can beat them, just for one day

I... I remember

Standing, by the wall

And the guns, shot above our heads

And we kissed, as though nothing could fall

And the shame, was on the other side

Oh we can beat them, forever and ever

Then we could be heroes, just for one day

We can be heroes

Just for one day...

domingo, 12 de julho de 2009

O amor segundo Homero...

Em poucas palavras, 03 passagens interessantes extraídas de um dos melhores poemas épicos já escritos na história da humanidade, a Ilíada e a Odisséia.

1. Há relatos de que tudo começou – não se tem certeza se tal evento realmente ocorreu – quando Páris, filho do rei troiano, apaixonou-se perdidamente por Helena, esposa de Menelau, rei espartano. Helena era a mulher mais bela do mundo, e não foi à toa que Páris decidiu raptá-la. Seu desejo de viver um amor intenso era incontrolável! Tal decisão, contudo, foi causa de uma das maiores guerras já ocorridas na história da humanidade, isto porque, como era de se esperar, o rei do império espartano ficou extremamente enfurecido.
2. Consta, também, dos poemas de Homero – Odisséia – que Penélope (a tecelã dos sonhos), esposa do astucioso Ulisses, aguardou pacientemente pela volta de seu marido, que havia ido para Tróia. Nesse longo período, o pai de Penélope sugeriu que ela se casasse novamente. Contudo, por se tratar de uma mulher apaixonada e fiel a Ulisses, Penélope decidiu que o esperaria até a sua volta. Porém, diante da exaustiva insistência e pressão de seu pai, Penélope foi obrigada a aceitar a corte dos pretendentes à sua mão. Ela impôs uma condição: casaria somente após terminar de tecer uma colcha. E o tal objeto foi propositadamente tecido em tricô, para que, pela noite, o trabalho árduo executado durante o dia pudesse ser parcialmente desfeito. Assim foi feito: de manhã, aos olhos de todos, Penélope tecia a colcha e, de noite, a desmanchava. Um dia, uma de suas servas descobriu a farsa e revelou a verdade. Penélope, então, teve outra ideia e fez nova proposta para seu pai e para seus pretendentes: o homem que conseguisse atirar uma flecha com o arco que Ulisses tendeu, poderia se casar com ela. Nenhum pretendente conseguiu, até o dia em que um mendigo pediu permissão para atirar. Surpreendentemente, o pobre sujeito conseguiu acertar o alvo! Na mesma hora, Penélope reconheceu seu amado Ulisses, que finalmente acabara de voltar dos campos de batalha.
3. A guerra também revela a história de Heitor (na minha opinião, o mais corajoso e virtuoso guerreiro partícipe do conflito entre aqueus e troianos. Aquiles foi mero coadjuvante). As vozes do destino proclamavam que as muralhas de Tróia jamais cederiam enquanto o elmo flamejante se mantivesse vivo. E foi o que de fato ocorreu. “Na Ilíada, a cena em que Heitor se despede da sua esposa Andrômaca e de seu filho é particularmente comovente”. A obra apresenta o casal como símbolo do amor conjugal e da ternura. O amor é visto como a origem da beleza, da sabedoria e da bondade. Segundo autores, a humanidade só voltou a presenciar um amor como o de Heitor e Andrômaca milênios após o término da guerra infelizmente vencida pelos gregos.
Belos trechos que suscitam uma dúvida: trata-se de uma fantasia da literatura ou de poesia baseada em fatos reais?

quarta-feira, 1 de julho de 2009

Opinião...

Pois é... Os valores mudam. E cada vez mais, mudam para pior!
Todos ainda anseiam pela felicidade. Entretanto, a tal felicidade que buscamos tem se transformado em algo BIZARRO!
Muitas das jovens mulheres, por exemplo, limitam-se a sonhar em colocar silicone, passar por uma lipoaspiração, ter o bumbum e o abdome definidos. Desejam vestir roupas e acessórios de grife, desfilar nos melhores eventos sociais e "pensam" que a essência da vida está restrita a ser linda e invejada pelas amigas. Seus objetivos resumem-se a morar em uma casa linda, ao lado de um companheiro lindo, passando as férias em um lugar lindo...
No caso dos homens, o retrato não muda. Queremos um carro turbinado (objeto), a companhia de mulheres turbinadas (objeto), amigos em volta para que possam rir de nossas piadas idiotas, e uma conta bancária turbinada com muito dinheiro (objeto), em alguns casos não importando se a origem é espúria.
É triste, mas a regra é que esses são os principais valores para a maioria.
A época em que alguém se preocupava em utilizar seu tempo com reflexões em benefício da sociedade, questões políticas, econômicas ou filosóficas faz parte do passado. Definitivamente, isso é assunto FORA DE MODA! Quase ninguém desenvolve o senso crítico e tampouco a sensibilidade de perceber que o retrato social hoje é catastrófico.
Mas... Quem se importa? Eu mesmo não dou a mínima! Tenho mais o que fazer. Já estou com 23 anos e meu tempo é precioso demais para ser desperdiçado com assuntos tolos. Afinal de contas, hoje é dia de balada! Dia de encher a cara de uísque e vodka e pegar muita mulher com a galera. Hoje eu faço a festa! É só alegria!
E assim caminhamos...

terça-feira, 30 de junho de 2009

Olá!


Criei este espaço para a exposição de algumas IDEIAS, sejam elas ligadas à imaginação, opinião, pensamento ou lembrança. Mesmo sendo um "blogueiro" iniciante, tentarei manter uma atualização constante, isto é, se a criatividade e o intelecto permitir.

Obrigado pela visita! ;)